Os dois eus

medieval-fighter

“(…) a vida cristã é uma luta. Uma luta penosa, com várias vicissitudes, que somente termina com a morte. Luta de extrema importância, pois o que está em jogo é a vida eterna. Como ensina São Paulo, há em nós dois homens: a) o homem regenerado, o homem novo, com inclinações nobres, sobrenaturais e divinas, produzidas em nós pelo Espírito Santo, em razão dos méritos de Cristo, da intercessão da SS. Virgem e dos santos. Procuramos corresponder a essas inclinações colocando em ação, sob o influxo da graça atual, o organismo sobrenatural que Deus nos deu; b) Contudo, paralelamente há em nós o homem natural, o homem carnal, o homem velho, com más inclinações, cujas raízes o batismo não arrancou de nossa alma. É a tríplice concupiscência, que herdamos dos primeiros pais, e que o mundo e o demônio avivam e intensificam. É uma inclinação habitual que nos leva ao amor desordenado dos prazeres sensuais, da nossa própria excelência e pelos bens terrenos. Esses dois homens fatalmente entram em conflito. A carne, ou o homem velho, deseja e busca o prazer sem ater-se à moralidade. O espírito faz lembrar que há prazeres proibidos e perigosos que, por dever e porque é vontade de Deus, deve-se renunciar. Porém, como a carne persiste em seus desejos, a vontade, ajudada pela graça, fica obrigada a mortificá-la e, se for preciso, a crucificá-la. Assim, o cristão é um soldado (II Tim 2,1), um atleta que combate até a morte por uma coroa imortal.”

(Adolphe Tanquerey, Tratado de Teologia Ascética e Mística)

# Compartilhar: Facebook Twitter Google+ Linkedin Technorati Digg
 
Copyright © 2013 Amigos da Cruz