Os Anjos

file_127990_Arcanjos_TopO ARTIGO

Os anjos são os nossos pastores; não só levam a Deus as nossas mensagens, como também trazem até nós as que Deus nos envia. Apascentam-nos a alma com doces inspirações e comunicações divinas; sendo bons pastores, protegem-nos e defendem-nos dos lobos, isto é, dos demónios.
Com as suas secretas inspirações, os anjos possibilitam à alma um conhecimento mais elevado de Deus; inflamam-na assim de uma chama mais viva de amor para com Ele; chegam até a deixá-la ferida de amor. A luz de Deus ilumina o anjo, penetrando-o com o seu esplendor e inflamando-o com o seu amor, porque o anjo é um espírito puro completamente
disposto a essa participação divina, mas, ao homem, ilumina-o habitualmente de uma maneira obscura, dolorosa e penosa, porque o homem é impuro e fraco.
Quando o homem se torna verdadeiramente espiritual e fica transformado pelo amor divino que o purifica, recebe a união e a amorosa iluminação de Deus com uma suavidade semelhante à dos anjos.
Lembrai-vos de como é vão, perigoso e funesto exultarmos com tudo o que não seja serviço de Deus, e considerai a tamanha infelicidade dos anjos que exultaram e se comprazeram com a sua própria beleza e seus próprios dons naturais; pois foi esse o motivo por que alguns deles caíram, privados de toda a beleza, no fundo dos abismos.

(São João da Cruz)

Mãe do Crucificado

nossa_senhora_das_dores_1

‘Cantarei eternamente as misericórdias do senhor’ (Sl 88,2). No cântico pascal da Igreja repercutem-se, com a plenitude do seu conteúdo profético, as palavras que Maria pronunciou durante a visita que fez a Isabel, esposa de Zacarias: ‘A sua misericórdia estende-se de geração em geração’. Tais palavras abrem, já desde o momento da Encarnação, uma nova perspectiva da história da Salvação. Após a ressurreição de Cristo, esta nova perspectiva passa para o plano histórico e, ao mesmo tempo, reveste-se de um sentido escatológico novo. Desde então sucedem-se sempre novas gerações de homens na imensa família humana, em dimensões sempres crescentes; sucedem-se também novas gerações do Povo de Deus, assinaladas pelo sinal da Cruz e da Ressurreição, o mistério pascal de Cristo, revelação absoluta daquela misericórdia que Maria proclamou à entrada da casa da sua parente.
Mãe do Crucificado, Maria é aquela que conhece mais profundamente o mistério da misericórdia divina. Conhece o seu preço e sabe quanto é elevado. Neste sentido chamamos-lhe Mãe da misericórdia, Nossa Senhora da Misericórdia, capaz de descobrir, primeiro através dos complexos acontecimentos de Israel, e depois daqueles que dizem respeito a cada um dos homens e à humanidade inteira, a misericórdia da qual todos se tornam participantes, segundo o eterno desígnio da Santíssima Trindade, ‘de geração em geração’.
Mãe do Crucificado e do Ressuscitado, tendo experimentado a misericórdia de um modo excepcional, ‘merece’ igualmente tal misericórdia durante toda a sua vida terrena e, de modo particular, aos pés da cruz do Filho. Em seguida, através da participação escondida e, ao mesmo tempo, incomparável na missão messiânica de seu Filho, foi chamada de modo especial para tornar próximo dos homens o amor que o Filho tinha vindo revelar: amor que encontra a sua mais concreta manifestação para com os que sofrem, os pobres, os que estão privados de liberdade os cegos, os oprimidos e os pecadores, conforme Cristo explicou.

(João Paulo II - Encíclica Dives in Misericordia)

Árvore das dores

exaltacionstacruz0246b255b1255d

Acorda, minha alma, exprime as tuas obras,
Que elas repassem diante dos teus olhos
E que deles brotem lágrimas.
Revela a Cristo os teus atos e pensamentos,
E serás justificada.
Tem piedade de mim, meu Deus, tem piedade de mim.


Na cruz, ó Verbo, Palavra de Deus, ofereceste por todos
O teu corpo e o teu sangue;
O teu corpo para recriar o meu,
O teu sangue para me lavar.
Cristo, entregaste o teu espírito
Para me levares ao teu Pai.


Foi ao coração desta terra que o seu Criador veio para nos salvar.
Quis ser pregado na árvore das dores
E deste modo o paraíso perdido foi reencontrado.
É por isso que és adorado pelo céu e pela terra,
Por toda a criação,
Pela multidão dos resgatados vindos de todas as nações.


Que o sangue e a água que jorraram
Do teu lado trespassado
Sejam para mim um banho batismal,
Uma bebida redentora.
E assim, ungido pelas tuas palavras de vida como por um perfume,
E recebendo-as como bebida,
Ficarei duplamente purificado, ó Verbo, Palavra de Deus.


A Igreja é o cálice que recebe
O jorro vivificante do teu lado,
Fluxo duplo e único de conhecimento e perdão,
Imagem dos Testamentos, o Antigo e o Novo,
Reunidos num só.
Tem piedade de mim, meu Deus, tem piedade de mim.

(Santo André de Creta)

Natividade da Virgem Maria

natividade_de_maria_2

Hoje, o Criador de todas os coisas, o Deus Verbo, compôs uma obra nova, retirada do coração do Pai para ser escrita, como que com uma rosa, pelo Espírito que é a língua de Deus. Filha santíssima de Joaquim e de Ana, que escapaste aos olhares dos Principados e das Potestades e às setas inflamadas do Malvado (Col 1, 16; Ef 6, 16), tu viveste na câmara nupcial do Espírito, foste preservada intacta para seres Esposa de Deus e Mãe de Deus por natureza. Filha amada de Deus, honra de teus pais, todas as gerações te chamam bem-aventurada, como tu própria afirmaste com verdade (Lc 1, 48). Digna filha de Deus, beleza da natureza humana, reabilitação de Eva, nossa primeira mãe! Pois pelo teu nascimento aquela que tinha caído é levantada. Se, pela primeira Eva, ‘entrou a morte no mundo’ (Rom 5,12), porque ela se colocou ao serviço da serpente, em contrapartida, Maria enganou a serpente enganadora fazendo-se escrava da vontade divina, e assim introduziu a imortalidade no mundo.Tu és mais preciosa do que toda a criação, porque de ti somente recebeu o Criador em herança as primícias da nossa humanidade. A Sua carne foi feita da tua carne, o Seu sangue do teu; Deus alimentou-Se com o teu leite, os teus lábios tocaram nos lábios de Deus. Na presciência da tua dignidade, o Deus do universo amou-te; e, por te amar, predestinou-te e, nos últimos tempos (1Ped 1, 20), chamou-te à existência. Que Salomão, o sapiente, se cale; que Salomão não volte a dizer que ‘não há nada de novo debaixo do sol’ (Ecl 1, 9).

(São João Damasceno)

 
Copyright © 2013 Amigos da Cruz