O caminho e o fim

Se o mundo soubesse o que significa amar a Deus, ainda que pouco, também amaria o próximo. Quando se ama a Jesus, quando se ama a Cristo, também se ama aqueles que Ele ama. E Ele morreu de amor pelos homens. Porque, transformando o nosso coração no coração de Cristo, sentimos e percebemos os seus efeitos, e o maior de todos é o amor, o amor à vontade do Pai, o amor para com todos os que sofrem e gemem, o amor pelo irmão distante, seja ele inglês, japonês ou monge, o amor a Maria. Quem poderá compreender o amor de Cristo? Ninguém. Mas há quem tenha dele pequenas centelhas, ocultas e silenciosas, sem que o mundo o saiba. Meu Jesus, como és bom! Tudo fazes maravilhosamente! Mostras-me o caminho e mostras-me o fim. O caminho é a doce cruz, o sacrifício, a renúncia a si próprio, por vezes a batalha sangrenta que se resolve, por entre lágrimas, no Calvário ou no Jardim das Oliveiras. O caminho, Senhor, é ser o último, o doente, o pobre. Mas nada importa, pelo contrário! Estas renúncias são amáveis quando suscitam na alma a caridade, a fé e a esperança; é desta maneira que tu transformas os espinhos em rosas. E o fim? O fim és Tu, e apenas Tu. O fim é a posse eterna de Ti no céu, com Maria, com todos os anjos e todos os santos. Mas isso é no céu. E, para animar os débeis, os fracos, os cobardes como eu, Tu manifestas-Te por vezes ao seu coração e dizes-lhes: ‘Que procuras? Que queres? Por quem chamas? Repara, sou Eu. Eu sou a Verdade e a Vida.’ E então, Senhor, enches a alma dos Teus servos com doçuras inexprimíveis, que eles ruminam em silêncio e que mal conseguem explicar. Meu Jesus, como Te amo, a despeito do que sou. E quanto mais pobre e miserável sou, mais Te amo. E amar-Te-ei sempre; agarrar-me-ei a Ti e não Te deixarei mais – não sei que mais dizer.

(São Raphaël Arnaiz Baron)

# Compartilhar: Facebook Twitter Google+ Linkedin Technorati Digg
 
Copyright © 2013 Amigos da Cruz