Viver de amor


No entardecer do amor, falando sem figuras,               
Assim disse Jesus: “Se alguém me quer amar,         
Saiba sempre guardar minha palavras,                   
Para que o Pai e Eu o venhamos visitar.                       
Se do seu coração fizer Nossa morada,                  
Vindo até ele, então, haveremos de amá-lo,                  
E irá cheio de paz viver 
Em Nosso amor!

Viver de amor, Senhor, é Te guardar em mim,    
Verbo incriado, Palavra de meu Deus                          
Ah, divino Jesus, sabes que Te amo sim                        
O Espírito de Amor me abrasa em chama ardente 
Somente enquanto Te amo o Pai atraiu a mim.       
Que Ele, em meu coração, eu guarde a vida inteira,   
tendo a Vós, ó Trindade, como prisioneira                  
Do meu amor!

(…)

Viver de amor não é, nesta terra,                                     
a nossa tenda armar nos cumes do Tabor;                    
É subir o Calvário com Jesus,                                        
Como um tesouro olhar a Cruz!                                      
No céu, eu viverei de alegrias,                                
Quando então todo sofrimento acabará;                         
Mas, enquanto exilada, quero, no sofrimento,                
Viver de amor!

(…)

Viver de amor, é banir todo o temor                                
E as lembranças das faltas do passado                          
Não vejo marca alguma em mim do meu pecado:    
Tudo, tudo queimou o amor num só segundo…             
Chama divina, ó doce fornalha,                                 
Quero no Teu calor fixar minha morada,                       
E em Teu fogo é que canto o refrão mais profundo: 
Vivo de amor!…

(…)

Viver de amor, enquanto meu mestre cochila,           
Eis o repouso entre as fúrias da vaga.                             
Oh! Não temas, Senhor, que eu Te acorde,                  
Aguardo em paz a margem do céus…                               
Logo a fé irá rasgar o seu véu,                                          
minha esperança é ver-Te um dia.                                    
A caridade infla e empurra minha vela.                      
Vivo de amor!…

(…)

(Santa Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face. Obras Completas. 2ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001.
# Compartilhar: Facebook Twitter Google+ Linkedin Technorati Digg
 
Copyright © 2013 Amigos da Cruz