Aguardamos o Salvador


Justo é, irmãos, que celebreis com toda devoção o Advento do Senhor, deleitados por tanta consolação, assombrados por tanta dignidade, inflamados com tanta dileção. Porém, não penseis apenas na Primeira Vinda, quando o Senhor veio buscar e salvar o que estava perdido, mas também na Segunda, quando voltará e nos levará consigo. Oxalá façais objeto de vossas contínuas meditações estas duas Vindas, ruminando em vossos corações tanto o que nos deu na sua Primeira Vinda quanto o que nos prometeu na Segunda!
Chegou o momento, irmãos, de o juízo começar pela casa de Deus. Qual será o fim daqueles que não obedeceram o Evangelho de Deus? Qual será o juízo a que serão submetidos aqueles que neste juízo não ressuscitam? Porque aqueles que se mostram resistentes a deixarem-se julgar pelo juízo atual, no qual o chefe deste mundo é lançado fora, que aguardem, ou melhor, que temam o Juiz que lançará fora também a estes, juntamente com o seu chefe. Nós, ao contrário, se nos submetemos desde já a um juízo justo, aguardemos seguros um Salvador: o Senhor Jesus Cristo. Ele transformará a nossa condição humilde segundo o modelo da Sua condição gloriosa. Então os justos brilharão, de forma que poderão enxergar tantos os doutos quanto os ignorantes: brilharão como o sol no Reino de seu Pai!
Quando o Salvador vier, transformará a nossa condição humilde segundo o modelo da Sua condição gloriosa, desde que o nosso coração esteja previamente transformado e configurado à humildade do Seu coração. Por isso dizia também: "Aprendei comigo, que sou manso e humilde de coração". Percebei atentamente que nestas palavras existem dois tipos de humildade: a do conhecimento e a da vontade, chamada aqui "humildade de coração". Pela primeira, conhecemos o pouco que somos e aprendemos isso por nós mesmos, mediante a nossa própria fraqueza; pela segunda, pisoteamos a glória do mundo e aprendemos d'Aquele que se despojou de sua condição [de Senhor] e assumiu a condição de escravo; que procurado para ser proclamado rei, declinou para ser coberto de ultrajes e condenado ao ignominioso suplício da Cruz.
(São Bernardo de Claraval)
# Compartilhar: Facebook Twitter Google+ Linkedin Technorati Digg
 
Copyright © 2013 Amigos da Cruz